Festival de Brasília 2016: Documentário sobre a questão indígena é ovacionado pelo público



Adoro Cinema
O diretor Vincent Carelli e Tonico Benites, liderança guarani-kaiowá, antes da exibição de "Martírio" Se o Festival de Brasília há décadas tem a fama de ser o mais político dos eventos cinematográficos realizados no país, a edição deste ano tem potencializado esta característica com uma seleção de filmes bem contundente. Que o diga a escolha do documentário Cinema Novo como filme de abertura e também a exibição de três longas sobre questões feministas, todos em mostras paralelas, logo no segundo dia.O terceiro dia do Festival de Brasília elegeu o índio como tema central, com a exibição de Taego Äwa na mostra A Política no Mundo e o Mundo da Política e de Martírio, na mostra competitiva. Com o Cine Brasília praticamente lotado, o novo documentário do diretor Vincent Carelli conquistou o público.Com 2h40 de duração, Martírio começou a ser desenvolvido ainda na década de 1980, a partir das visitas do diretor à tribo dos guarani-kaiowá, no Mato Grosso do Sul. O longa-metragem traz duas vertentes bem claras: a histórica, retratando a formação do povo indígena na localidade e como o governo brasileiro lidou com a questão ao longo das décadas; e na forma de denúncia, ao mostrar o cotidiano violento ao qual os índios são submetidos pelos fazendeiros da região, que contratam pistoleiros para amedrontá-los e até matá-los.Bastante didático e dividido em capítulos, Martírio é uma extensa aula de história, que ataca de forma direta a bancada ruralista no Congresso Nacional e também o governo Dilma Rousseff, representado em cena pela ex-ministra Gleisi Hoffmann. Vários são os políticos com depoimentos exibidos, o que resultou em reações acaloradas do próprio público. Houve de tudo: do "fora PT" ao onipresente "fora Temer", passando por xingamentos diretos a cada declaração preconceituosa exibida.Por mais que seja contundente e também bastante abrangente, Martírio sofre do grave problema do gigantismo. A narrativa dividida em capítulos logo se torna bastante cansativa, levantando questionamentos se o formato de cinema seria o mais adequado para a produção, ao menos na proposta apresentada. Entretanto, pela reação do público, é de se esperar que o longa-metragem seja premiado neste ano, ou pelo júri oficial ou pelo próprio júri popular. A conferir.*O AdoroCinema viajou a convite do Festival de Brasília.

Fonte: Adoro Cinema